KnowNow 2.0 – RCI

KnowNow 2.0 – Regiões do Conhecimento e Inovação

KnowNow-regioesO conhecimento, como marca de uma região, deve ser um instrumento que envolva universidades e centros de inovação, que devem ter um papel forte nas novas dinâmicas da evolução da economia global, assim como empresas e instituições de apoio à envolvente empresarial.

Mais do que nunca, a afirmação de uma região dar-se-á pela via do conhecimento e inovação.

Como observaram Porter (1990) e muitos autores que lhe seguiram, a vantagem comparativa entre os países advém, cada vez mais, da inovação técnica e do uso competitivo do conhecimento – ou de uma combinação desses dois fatores.

Urge assim o fomento de uma atitude cooperativa em que todos possam sair a ganhar. É necessário apostar, definitivamente, na prática da cooperação enquanto via para atingir melhores resultados e para ganhar competitividade e estofo internacional.

A ligação a redes (entre empresas, associações, centros de saber, entre outros) ainda permanece pouco aprofundada. Mais do que constatar este facto, isto resulta num desperdício de capacidades e know-how existente nas regiões do Norte e do Centro.

Somos um país de reconhecidas capacidades intelectuais, comprovadas através de distinções de relevo a inúmeros investigadores. Todavia, a ligação entre conhecimento e mundo empresarial continua a apresentar muitas deficiências que parecem cingir-se em grande medida à falta de comunicação entre as duas realidades: meio académico e meio empresarial.

É sobre esta lacuna que o Projeto Know Now 2.0 – Regiões de Inovação e Conhecimento pretendeu incidir. Partindo de um desejo evidente nas regiões Norte e Centro do país, procurou-se aproveitar as bases lançadas na primeira edição do Projeto Know Now, aprofundando definitivamente as estruturas para fazer das Regiões Norte e Centro regiões de inovação e conhecimento, capazes de competir, com sucesso, nos mercados globais.

O Projeto KN 2.0 – Regiões de Inovação e Conhecimento foi promovido pelo CEC – Conselho Empresarial do Centro / CCIC – Câmara de Comércio e Indústria do Centro e pela UERN – União das Associações Empresariais da região Norte

 

OS GRANDES EIXOS:

kn2regioes_2

EIXO 1: COOPERAÇÃO – Através do qual se procurou intensificar a dinâmica de cooperação das redes de centros de saber e os agentes empresariais, facilitando dinâmicas de criação de valor com base no conhecimento através da compreensão do seu posicionamento nas respetivas cadeias de valor globais. Para tal, incidiu-se em três níveis distintos mas dos quais se esperou obter efeitos complementares entre si:

– A nível da região;

– A nível das instituições;

– A nível das empresas;

EIXO 2: NETWORKING – Com este eixo, visou-se acelerar a integração plena das áreas de Conhecimento e Inovação nas dinâmicas emergentes dos mercados globais, de modo a tornar as estruturas produtivas mais competitivas através da geração de valor com base na utilização do conhecimento instalado nas regiões, implicando:

– Numa primeira fase a identificação de áreas de interesse comuns entre um conjunto de áreas de atividades distintas, passíveis de resultar em ofertas conjuntas agregadas, aumentando a eficácia da oferta.

– Numa fase posterior através da dinamização de encontros de negócios, seja pela via de missões empresariais no exterior, ou pela realização de missões inversas, promovendo a vinda de elementos internacionais.

EIXO 3: PROMOÇÃO – Definir estratégias e alinhar instrumentos capazes de posicionar internacionalmente as regiões do Norte e do Centro como regiões de Inovação e Conhecimento, suportadas no conceito “Know Now, do conhecimento à inovação”, envolvendo:

– A identificação dos locais e canais estratégicos para comunicar e estar presente;

– A definição de um conceito e posicionamento diferenciadores para as Regiões Norte e Centro;

– A definição de instrumentos e ferramentas suscetíveis de darem corpo e voz às Regiões do Norte e do Centro enquanto regiões inovadoras.

 

OBJECTIVO ESTRATÉGICO:

  • Aprofundar a construção das Regiões de Inovação e Conhecimento do Norte e do Centro, posicionando-as competitivamente nos mercados globais.

 

OBJECTIVOS OPERACIONAIS:

Num plano mais operacional, o Projeto visou atingir os seguintes objetivos:

  1. Fomentar o uso da ferramenta estratégica da cooperação para vencer os crescentes desafios dos mercados globais, facilitando uma inserção mais efetiva e sustentada das empresas, sobretudo as de menor dimensão, nos mercados globais.
  2. Construção de rede de partilha e de cooperação que interligue os diferentes atores e iniciativas instalados nos territórios;
  3. Levantamento de casos de sucesso que sirvam de atrativos para a promoção das Regiões: sejam caso de empresas internacionais que demandaram os territórios pela sua dotação específica em fatores de inovação e conhecimento; sejam empresas e/ou instituições que se distinguiram internacionalmente pelas suas estratégias apoiadas exatamente nesses preciosos recursos disponíveis;
  4. Desenvolvimento de atividades de promoção, divulgação e imagem internacionais das regiões e suas atividades relevantes para a economia nacional;
  5. Desenvolvimento de uma estratégia coletiva que identifique o caminho a seguir no aprofundamento das regiões Norte e Centro enquanto Regiões de Inovação e Conhecimento, apontando pistas para o futuro;

 

ACTIVIDADES:

  1. SESSÕES TEMÁTICAS: Previu-se a realização de 2 sessões temáticas em cada uma das regiões, subordinadas aos seguintes temas:

Desenho regional – como articular os diversos players em prol do desenvolvimento das regiões?

Conhecimento e inovação – como transformar conhecimento e inovação em dínamos da região? Quais as áreas diferenciadoras? Quais os fatores críticos de sucesso?

 

  1. BRAINSTORMING DO FUTURO: A realização da atividade “brainstorming do futuro” visou a dinamização de um debate à partilha de ideias, com os seguintes objetivos:
  • Partilhar de tendências e construção de desafios;
  • Identificar áreas de intersecção onde possam existir possibilidades de cooperação entre diferentes sectores de atividade e distintos agentes;
  • Cruzar de competências;
  • Estimular projetos conjuntos;

 

  1. CÍRCULOS DE INOVAÇÃO
  1. CÍRCULOS DE EMPREENDEDORISMO
  1. CÍRCULOS DE FINANCIAMENTO
  1. IDENTIFICAÇÃO DE ÁREAS DE INTERESSE COMUNS: Nesta fase procurou-se identificar áreas de interesse comum capazes de conduzir ao desenvolvimento de ofertas integradas, sugerindo a sua efetivação.
  1. PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS INTERNACIONAIS: A participação em eventos internacionais marcou o início das atividades relacionadas com a promoção internacional das regiões do Norte e do Centro.
  1. MISSÕES INVERSAS DE NEGÓCIO: Promover a visita de empresas internacionais às duas Regiões, com um duplo objetivo – por um lado dar a conhecer o Norte e o Centro e as suas potencialidades e, por outro, intensificar a captação de investimento para estas regiões.
  1. MISSÕES INSTITUCIONAIS: Estabelecimento de contactos e parceiros internacionais que facilitem a cabal e oportuna expansão internacional das áreas de competitividade e inovação e das empresas/negócios das regiões. Nos casos adequados, foi potenciado a realização das missões inversas de negócio.
  1. ANTENAS INTERNACIONAIS: Procurou-se encontrar personalidades/organismos/instituições que pudessem atuar com duplo papel – como promotores do território e como facilitadores para o processo de internacionalização das empresas das regiões. No fundo, estimulou-se a interligação internacional das regiões.
  1. LIVROS DE OURO 2.0: Desenvolver uma edição virtual dos Livros de Ouro com identificação de casos relevantes que possam servir de promoção internacional das regiões nos sectores previamente identificados. Este “Wall of fame” serve de inspiração, motivação e promoção de casos de sucesso.
  1. ESTRATÉGIA COLECTIVA: Reunidos todos os inputs obtidos através das atividades anteriores, a elaboração da estratégia coletiva serve, simultaneamente, como conclusão de todo o Projeto e como alavanca para futuras atividades.
  1. PROMOÇÃO, DIVULGAÇÃO E DISSEMINAÇÃO: Conjunto de atividades que contribuíram para que o Projeto ganhasse dimensão e robusteza, captando a atenção regional, nacional e internacional.

Nota: No portal do projecto (www.knownow.com.pt) podem fazer-se pesquisas combinando as regiões, as áreas de competitividade e inovação e os centros de saber, através da ferramenta “Know Box”, assim como utilizar uma ferramenta gratuita de autodiagnóstico sobre internacionalização.